Resenha: As 10 Novas Competências para Ensinar de Philippe Perrenoud

Segundo o livro em referência, de Philippe Perrenoud, as 10 competências profissionais para ensinar são:

1. Organizar e dirigir situações de aprendizagem – Entendendo-se que a capacidade de ensinar bem é, sem dúvida, uma nova competência porque o ofício de professor, conforme nós a conhecemos, não tem mais espaço nos dias atuais. Não há padronização nos educandos, no sentido de que cada aluno vivencia a aula em que está inserido de diferentes formas. Conceber e criar situações de aprendizagem é uma nova ferramenta à disposição do educador de forma a envolver, diferenciar e criar situações que se traduzam em objetivos de aprendizagem. O professor deve dominar saberes a serem ensinados, ser capaz de dar aulas, de administrar uma turma e de avaliar.
2. Administrar a progressão das aprendizagens – Conceber e administrar situações-problema ajustadas ao nível e as possibilidades dos alunos, propiciando reflexões, desafios, intelectuais, conflitos sociocognitivos; dominar a formação do ciclo de aprendizagem, as fases do conhecimento e do desenvolvimento intelectual da criança e do adolescente, além do sentimento de responsabilidade do professor pleno conjunto da formação do ensino fundamental; observar e avaliar os alunos em situações de aprendizagens; Fazer balanços periódicos de competências e tomar decisões de progressão;Rumar a ciclos de aprendizagem: interagir grupos de alunos e dispositivos de ensino-aprendizagem.
3. Conceber e fazer evoluir os dispositivos de diferenciação – Administrar a heterogeneidade no âmbito de uma turma;
Abrir, ampliar a gestão de classe para um espaço mais vasto; Fornecer apoio integrado, trabalhar com alunos portadores de grandes dificuldades, sem todavia transforma-se num psicoterapeuta; Desenvolver a cooperação entre os alunos e certas formas simples de ensino mútuo, criando uma cultura de cooperação através de atitudes e da reflexão sobre a experiência.
4. Envolver os alunos em suas aprendizagens e em seu trabalho – suscitar o desejo de aprender, oferecer atividades opcionais de formação, negociar com os alunos regras e outros acertos, através de um Conselho eleito por eles e favorecer seus projetos pessoais.
5. Trabalhar em Equipe – Motivar os alunos de forma a entenderem que ninguém se sente bem “sozinhos no comando”. O trabalho em equipe favorece o enfrentamento e a análise em conjunto de situações complexas e a administração de crises e conflitos interpessoais.
6. Participar da administração da escola – Não só os professores mas também o pessoal administrativo, deve participar da gestão da escola, entendo qual o projeto daquela instituição, aprendendo a administrar os recursos existentes não só na escola mas no seu entorno, com moradores, associação de pais de moradores, de forma a organizar e fazer evoluir, no âmbito da escola, a participação dos alunos.
7. Informar e envolver os pais – Dirigir reuniões de informação e de debate, fazer entrevistas e envolver os pais na construção dos saberes. Essa participação é fundamental para o processo de aprendizagem.
8. Utilizar novas tecnologias – porque a escola não pode ignorar que as crianças já nascem sob a égide do “click”, e certamente não aceitarão um modo de aprendizagem ultrapassado, pouco instigante e lento. As novas tecnologias da informação e da comunicação tranformam as maneiras de se comunicar, de trabalhar, de decidir e de pensar. O professor precisa lançar mãos das novas tecnologias com objetivos educacionais.
9. Enfrentar os deveres e os dilemas éticos da profissão – Prevenir a violência na escola e fora dela, lutando contra os preconceitos e as discriminações sexuais, étnicas e sociais, incluído o chamado “bullying”; Participar da criação de regras de vida comum referente à disciplina na escola, às sanções e à apreciação da conduta; Analisar a relação pedagógica, a autoridade, a comunicação em aula, desenvolvendo o senso de responsabilidade, a solidariedade e o sentimento de justiça.
10. Administrar sua própria formação contínua – porque dessa forma estará garantida a atualização e o desenvolvimento de todas as demais competências, segundo Perrenoud. A escola não é uma ambiente estável e por isso precisa que o professor esteja sempre preparado para lidar e intervir em todas as situações que ocorrerem. Se você não cuidar do seu próprio crescimento ninguém o fará por você.

Referências:
Livro: As 10 Novas Competências para Ensinar, de Philippe Perrenoud.
Blog da Profa. Lídia: http://lidialindislay.blogspot.com.br/2010/03/resumo-de-livros-perrenoud-philippe-dez.html, de 12/03/2010.

Links de entrevistas:

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: